Pratos & Copos

Delishop (SP) tem menu judaico à la “iídiche mame”

CLAUDIO SCHAPOCHNIK
Em São Paulo

O Bom Retiro, na área central de São Paulo, é um caldeirão étnico – e este cenário se reflete na oferta gastronômica. Neste bairro você acha restaurantes, lanchonetes, empórios e mercados com produtos e pratos árabes, italianos, sérvios, coreanos, brasileiros, judaicos etc. O Delishop, fundado em 1991, é A (grifo meu) referência em comida judaica. A cozinha e o cardápio têm a assinatura do chef Nir Baruch (foto acima), israelense nascido em Tel Aviv e também um dos sócios atualmente. Comer no Delishop é uma experiência que vai te levar a uma excelente comida caseira com acentos ora asquenazitas ora sefaraditas. Imperdível.

Comer no Delishop é, ainda no meu caso, recordar de muitas boas lembranças no bairro do Bom Retiro. Por exemplo, em um prédio na mesma rua do restaurante, a Correia de Mello, morou minha querida avó materna, Esther, falecida há muitos anos.

Foi no mesmo bairro que viveram familiares queridos, sendo que muitos deles já se foram deste mundo; onde fiz o bar mitzvá (cerimônia de maioridade judaica perante a religião), numa sinagoga na rua Prates; e onde frequentei um movimento juvenil judaico chamado Hashomer Hatzair, cuja então sede ficava na rua dos Bandeirantes.

Fui no Delishop, que nasceu para ser uma delikatessen de delícias judaicas, apenas para comprar e levar, e virou restaurante, duas vezes recentemente. Já conhecia a casa de ouvir falar (muito bem).

ALMOÇO COM UM AMIGO
Na minha estréia no restaurante, estava com um grande amigo. Foi um almoço ótimo, com boa conversa, em um dia da semana.

A saladinha de repolho: cortesia do restaurante (fotos Claudio Schapochnik/18viagens)
A porção de pepino em conserva

Lá no Delishop a refeição começa com uma cortesia da casa: uma porção de salada de repolho. Bem temperada, abre mais o apepite.

Além da saladinha de repolho, pedimos uma porção de pepino em conserva caseiro (R$ 10/foto acima). Que gostoso! Assim que mordi um pedaço, veio à mente o gosto do pepino feito de forma caseira também pela minha avó que citei acima, a Esther. Sensacional! Produzido na salmoura com galhinhos de endro (dill) – erva muito utilizada na Europa – sobretudo nos países do Norte e Leste do Velho Mundo.

Como pratos principais, pedimos: varenikis de batata (meia porção, com cinco unidades, R$ 28); salada grega (R$ 18); kafta (três unidades, R$ 29); e merguez (linguiça de cordeiro levemente apimentada, três unidades, R$ 29). As proteínas vieram, cada uma, com uma tigelinha de tahini (molho de gergelim) – o da casa tem a consistência mais para o líquido; prefiro o mais espesso.

A porção de kafta com tahini
A salada grega
As linguiças merguez com tahini

Os varenikis estavam ótimos. Bem cozidos e recheados com batata e cobertos fartamente com cebola frita. As carnes estavam muito boas, bem assadas sem estarem secas. Com o tahini e a pimenta (ardida), que também pedi, ficaram melhores ainda. A salada estava ok.

Sobremesa e café? Não pedimos. Estávamos bem satisfeitos. Dizem que os doces no Delishop são bons, incluindo um famoso pudim (creme caramel, R$ 12). Um dia irei prová-lo.

A cobertura de cebola frita nos varenikis de batata é muito bom

ALMOÇO COM A ESPOSA
Na segunda vez no Delishop, o almoço foi com minha esposa. Fomos num domingo – há pouco tempo o restaurante passou a abrir aos domingos e a fechar às segundas-feiras e aos feriados.

Depois da saladinha de repolho, pedimos de entrada um prato de homus (pasta de grão de bico com tahini, R$ 18/foto acima) e um pão pita (R$ 3). Estava muito saboroso e deu tranquilo para nós dois.

Nos pratos principais, fomos em duas combinações – saem mais em conta que pedidas separadamente. No cardápio, estes preços combinados estão na coluna da direita.

Fui na shpondra, costela bovina magra cozida com varenikis de batata (R$ 39/foto acima), e minha esposa foi de peixe (salmão grelhado com risotto de queijo e alho poró, R$ 42).

A costela derretia na boca de tão cozida que estava. Bem temperada, senti um gostinho leve de limão. O chef Nir confirmou que usa.

Mais uma vez, não pedimos nem sobremesa nem café. Os pratos satisfazem. Não fica mais espaço.

Recomendado. Com louvor!

SERVIÇO:
Delishop Restaurante
Rua Correia de Mello, 206, Bom Retiro, São Paulo/SP
Tel. (11) 3228-4774
Horário de atendimento: terça a sábado, das 9h30 às 15h30; domingo, das 12h às 15h30; fecha às segunda e aos feriados
Instagram, Facebook
www.delishoprestaurante.com.br

0 comentário em “Delishop (SP) tem menu judaico à la “iídiche mame”

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: